Pin Pin

O Baralho no Brasil

Tempos Coloniais

Barcos e dinheiro

Marinheiros jogavam cartas nos intervalos tranquilos das longas viagens cruzando o Atlântico. Habitantes de nossa terra traziam seus maços de cartas de Portugal e precisavam poupar esse frágil instrumento de jogo, sensível ao calor e à umidade de nosso país e às animadas seções a que eram sujeitos.

Isso foi por dois séculos. Longe dos olhos da Coroa e favorecidos pela escassez desse material, surgiram tentativas de sua impressão no Recife e Rio de Janeiro no século XVIII, devidamente confiscadas pelas autoridades por ferir o monopólio da Coroa portuguesa.

Em 1769 criou-se a Real Fábrica de Cartas de Jogar em Lisboa, anexa à Impressão Régia, com o privilégio do fabrico e venda por todo o Reino e colônias. Foram estabelecidos então o preço de 100 réis para o baralho de cartas em Portugal e 150 réis para o Brasil e demais domínios de além-mar.

Enquanto que no Reino a Real Fábrica sustentava alta lucratividade, no Brasil as autoridades de norte a sul eram alertadas às falsificações. O jogo do Voltarete estava então em voga.

Barcos e dinheiro

Novos Ventos

A vinda de D. João VI e sua corte ao Brasil em 1808 trouxe alento à atividade econômica, com a abertura de portos e criação da Impressão Régia no Rio de Janeiro. Três anos depois, foi a ela anexada a Real Fábrica de Cartas de Jogar, que passou a ter o monopólio do fabrico e venda de baralhos. Em 1818 foi entregue em arrendamento a Jaime Mendes de Vasconcelos & Cia. O contrato acabou sendo rescindido por falta de pagamento em 1823, encerrando a seguir o monopólio do Estado.

Nos anos que se seguem começam a ser ofertados baralhos importados da Europa, num primeiro momento da França e Alemanha, e depois da Bélgica. Como capital do Império e centro econômico do país, o Rio de Janeiro atrai imigrantes, entre eles técnicos gravadores, que vão dar mais qualidade ao que aqui se produzia.

O século XIX encerra com o aparecimento de dois fabricantes de cigarros no Recife, que aproveitam seu setor gráfico para produzir cartas para jogo: Moreira & C. e Azevedo e C., respectivamente com a “Fabrica Caxias” e a “Fabrica Lafayette”, ambas fundadas em 1884. Em São Paulo, V. Steidel & C. produzia cartas litografadas.

Uma questão de nomes

Havia no Brasil um predomínio das cartas com sistema de naipes latino até a segunda metade do século XIX. Os nomes que designavam os quatro grupos eram coerentes com seu desenho: ouros eram as moedas, copas eram as taças, espadas eram essas armas e paus eram bastões. Com a maior influência francesa e do norte alemão, via Portugal ou diretamente no Brasil, disseminam-se baralhos de naipe francês, mantendo-se a mesma denominação para os símbolos, que agora já não fazem muito sentido: ouros para diamantes, copas para corações, espadas para folhas e paus para trevos.

Linha de Reis Linha de Damas Linha de Espadas

O inicio da COPAG

Baralhos de empresas como Wüst e Dondorf, ambas de Frankfurt, são exportados para o Brasil na virada do século. É precisamente o terceiro padrão de Wüst que Albino Dias Gonçalves escolheu para começar o novo negócio, Albino Gonçalves e C., em 1908 em São Paulo, importando cartas dessa empresa alemã. Dez anos depois a empresa muda seu nome para Companhia Paulista de Papéis e Artes Gráficas (C.P.P.A.G.).

Documento da Companhia Paulista de Papéis e Artes Gráficas Taça/troféu símbolo da Copag
À esquerda, um documento da Companhia Paulista de Papéis e Artes Gráficas; à direita, a taça/troféu símbolo da Copag.

Era época em que o pôquer começava a se popularizar. Em 1923 aparece a marca símbolo da empresa, o “139”. O desenho era o do “Trophy Whist #39”, da norte-americana United States Playing Card Company (USPCC), em sua segunda versão, com os índices grandes. O joker (curinga) desse baralho inspirou a famosa taça/troféu que se tornou o ícone da Copag.

Em 1930, com a aquisição de máquinas off-set, a empresa começou a imprimir as cartas. O fechamento dos cassinos e a proibição dos jogos de azar em 1946 não impediram o crescimento da empresa. Afinal, a sociedade pré-eletrônica tinha nas cartas sua maior diversão. Os jogos de bridge e buraco ganhavam muitos adeptos.

Internacionalização

As instalações são transferidas para a Zona Franca de Manaus em 1987, constituindo a Copag da Amazônia. No final do século 20 adquire a Soimca, Sociedade Impressora Caxiense, que tinha boa distribuição no sul do país com seu baralho espanhol e, principalmente, com o “Pinguim”. A aceitação dos baralhos plásticos Copag pelos cassinos das Américas atraiu a belga Cartamundi, um dos maiores fabricantes de baralhos do mundo, que adquiriu 50% de seu capital em 2005. Hoje a Copag é a única produtora de baralhos de qualidade no país.

voltar ao topo